segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Feira de Economia Solidária em Santa Luzia do Pará

Premio

Carta de Felicitações aos Sócios.


Feira e Fundos Rotativos Solidários são Pautas de Eventos em Santa Luzia – Pará no Nordeste Paraense.

O Instituto Popular Amazônico – IPA foi representado pelo assessor José Wilson Alves pela ocasião da Feira de Economia Popular Solidária, I Amostra Cultural da Juventude, Seminário de Economia Solidária e, Encontro Estadual de Fundos Solidários do Pará, realizado nos dias 13, 14 e 15 do corrente mês em Santa Luzia organizado pela Rede Bragantina e Cáritas Regional Norte-II.
O IPA contribuiu no encontro estadual de fundos solidários na formação de uma mesa redonda coordenada por Luís Dantas para debater o projeto de fundos, políticas publica e participação social, onde teve como composição: Alison (Cáritas), Nazaré (Rede Bragantina), José Wilson (IPA), Cecília (INCRA), Sr. Severino (Rede Bragantina), momento que construiu de forma participativa uma analise de conjuntura da participação e empecilho para os avanços da economia solidária e agricultura familiar.
A feira de economia popular solidária organizada pela Rede Bragantina, contou também com a presença da Rede Capim, que com seu articulador Eduano Silva e mais dois empreendimentos de Dom Elizeu e Paragominas, dos jovens do município de Santa Luzia que realizara sua primeira amostra cultural da juventude, e uma participação especial da Banda Axé Dudu, banda ligada ao CEDENPA abrilhantou muito a ultima noite do evento.
Para o IPA o evento representa uma demonstração firme de persistência quanto a promover o desenvolvimento sustentável e solidário, com uma cooperação e integração entre as duas redes de economia solidária: Capim e Bragantina, em prol do fortalecimento dos empreendimentos solidários, estratégia reforçada pelo projeto de fundos rotativos solidários executado pela Cáritas Regional Norete-II apoiado pela SENAES/MTE.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Instituto Popular Amazônico e Cáritas Paragominas participam de Seminário de Educação Ambiental de Paragominas



Aconteceu em Paragominas o Seminário Programa de Educação Ambiental, com o tema “O papel da Escola na Construção de um Futuro Desejável”. Este Seminário é resultado do Programa de Educação Ambiental que vem sendo desenvolvido em Paragominas desde 2008 em parceria com governo local, Hydro e CEDAC (Comunidade Educativa). O evento aconteceu nos dias 05,06 e 07 de dezembro no Teatro Reynaldo Castanheira, com atividades temáticas na Escola Anésia da Costa Chaves, e contou com presença de autoridades locais, professores, representantes de empresas, sindicatos e organizações sociais, entre outras.
Na quarta-feira (5) no Reynaldo Castanheira foi à cerimônia oficial de abertura e estiveram presente autoridades locais, professores, representantes de empresas e sociedade civil. As falas da primeira mesa foram todas ressaltando a importância, o desafio e necessidade de se trabalhar a Educação Ambiental como um todo.
            Na quinta-feira (6) teve uma esplêndida palestra com a Professora Me. Doroty Matos, Mestre em Educação pela UMESP e Gestora Ambiental pela FMU/SP. Em sua apresentação trouxe importantes elementos de como trabalhar as agendas 21 como instrumento de educação ambiental nos diversos setores sociedade, tendo como instrumentos referenciais a Carta da Terra, o Tratado Internacional da Educação Ambiental e Sustentável, a Política Nacional dos Resíduos Sólidos. O momento seguinte teve às apresentações dos trabalhos de educação ambiental realizados pelos professores das diversas áreas de conhecimento, e ao final do dia teve as oficinas como: Horta na Escola, Papel Reciclado, Reaproveitamento de Alimentos, etc.
O último dia (sexta-feira) contou novamente com a contribuição da Professora Me. Doroty Matos que a partir dos trabalhos realizados nos dias anteriores, ela trouxe mais conteúdos riquíssimos voltados para a atuação na Educação Ambiental, e apresentou ainda exemplos de iniciativas que já estão acontecendo no Brasil e no mundo. A professora alertou da urgência em se trabalhar Educação Ambiental mais com um olhar para o presente, em conjunto com poder público, iniciativa privada e sociedade civil. Também respondeu perguntas feitas pela plenária como a de José Wilson Assessor da Cáritas Paragominas, que fez sua intervenção, questionando, sobre a aplicação da Carta da Terra na Amazônia, e, qual é o instrumento que é resultante do empoderamento da sociedade ambientalmente educada?
 O evento terminou apresentação com esta frase para expressar o compromisso de todos com a educação ambiental: “Juntos, misturados, comprometidos e pactuados”.
Portanto foi um momento de troca de conhecimento, a qual ficou clara a necessidade de uma consciência ambiental, pois a sociedade tem que avançar juntos com ações concretas que sirvam de exemplo para as crianças que serão o futuro da humanidade.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Paragominas não foi premiada com o Selo UNICEF 2012.. Veja porquê?


Os prefeitos dos 18 municípios paraenses que conquistaram o Selo Unicef Município Aprovado receberão seus troféus nesta quarta-feira, 5, às 17h, durante cerimônia no auditório do Comando Geral da Polícia Militar, localizado na avenida Almirante Barroso, 2513. O evento contará com a presença do governador do Estado do Pará, Simão Jatene, do coordenador do escritório do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) em Belém, Fabio Morais, e de representante da Celpa, parceira do Unicef na implementação do Selo na Amazônia.

Receberão os troféus e certificados os prefeitos de Abaetetuba, Altamira, Ananindeua, Augusto Corrêa, Aveiro, Benevides, Castanhal, Limoeiro do Ajuru, Mãe do Rio, Marabá, Oriximiná, Parauapebas, Piçarra, Santa Bárbara do Pará, Santarém, Tucumã, Tucuruí e Xinguara.

Ao todo, 120 municípios da Amazônia Legal Brasileira foram contemplados com o Selo Unicef e receberão os troféus em eventos similares, nos próximos dias. O Selo Unicef Município Aprovado conta com a adesão de 534 municípios da Amazônia. Durante o período de sua realização, a iniciativa articulou, mobilizou, comunicou, acompanhou e, finalmente, certificou as políticas públicas municipais voltadas para a garantia dos direitos de crianças e adolescentes.

Entre os 18 municípios paraenses certificados e que receberão os troféus do Selo Unicef, foram observados avanços como a redução do percentual de crianças desnutridas com até dois anos de idade; a melhoria da qualidade da educação percebida na redução da taxa de abandono escolar e na taxa de distorção idade-série entre os alunos matriculados nas séries finais do Ensino Fundamental; o aumento do percentual de mulheres grávidas com acesso a pelo menos sete consultas pré-natal; redução na gravidez na adolescência; aumento significativo do acesso de crianças com deficiências à escola; ampliação da cobertura do Programa Saúde da Família; e significativa melhoria nos sistemas de vigilância aos óbitos infantis e maternos, ou seja, maior percentual de investigação e análise das causas das mortes de crianças com até um ano de idade e de mulheres na faixa etária dos 10 aos 49 anos.

RESULTADOS NA AMAZÔNIA

Os resultados obtidos pelo Selo Unicef referem-se aos anos de 2010 e 2011. O indicador que obteve maior avanço pelos municípios amazônicos participantes do selo foi a presença maior das crianças com deficiências nas escolas. Em 2011, nos 534 municípios inscritos no Selo, 59,7% das crianças nessa condição estavam na escola. Em 2008, esse percentual era de apenas 21,9%. Isso significa que 25,9 mil crianças portadores de deficiência retornaram a escola.

De 2007 a 2011, a taxa de abandono no Ensino Fundamental dos municípios inscritos passou de 6,5% para 3,4%. A qualidade do ensino medida pela adequação entre a idade do aluno e a série na qual está matriculado pode ser percebia pela distorção idade-série. Esse indicador passou de 47%, em 2007, para 37,9% em 2011, demonstrando que a distorção idade-série caiu 19,4% nos municípios participantes do Selo. No mesmo período, a taxa nos demais municípios do País caiu 12,6 %.

De 2007 a 2010, a queda da taxa mortalidade infantil para os municípios participantes foi de 6,8%, enquanto que nos municípios certificados, a queda foi ainda maior: 12,7%. Entre 2007 e 2010, o percentual de nascidos vivos de mulheres com sete ou mais consultas de pré-natal aumentou em 14,1% nos municípios participantes do selo, enquanto que nos demais municípios brasileiros foi de 10,1%. Entre 2007 a 2010, houve uma queda do percentual de óbitos por causas mal definidas de 57,1%. Nos municípios certificados, a queda foi ainda maior: 67,4%.

EIXOS

Para conquistar o selo, os municípios foram avaliados em três eixos: Impacto Social, Gestão de Políticas Públicas e Participação Social. Para avaliar os dois primeiros eixos, a equipe do Unicef monitorou o desempenho de indicadores de Saúde, Educação e Proteção Social, no período de quatro anos. Os municípios amazônicos certificados tiveram de avançar em, no mínimo, 15 de um total de 33 indicadores.

As atividades de Participação Social mobilizaram as crianças e adolescentes em torno de dois temas: Esporte e Cidadania, e Cultura e Identidade Afro-brasileira e Indígena. Na Amazônia, os municípios tiveram de desenvolver atividades relativas a esses temas.

Além disso, o selo também avaliou o grau de mobilização social dos municípios. Para isso, foram realizados em cada município dois fóruns comunitários, nos quais as comunidades avaliaram, realizaram diagnósticos, apresentaram propostas e acompanharam o processo de implementação das políticas para a Infância.

Ao longo do processo, foram realizados seis ciclos de capacitações em cidades-polo, que reuniram periodicamente os representantes e os técnicos dos municípios em oficinas que tiveram apoio do Governo do Estado e de instituições como a Rádio Margarida e a Escola de Formação de Governantes do Maranhão. Para conquistar o Selo Unicef, os municípios também tiveram de superar o desafio de vencer distâncias e manter as respectivas equipes mobilizadas e atuantes durante todo o período de realização da iniciativa.

(Com informações da Ascom Unicef em Belém)

Texto: Carlos Gondim – Secom Da Redação Agência Pará de Notícias

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

CNBB: Campanha da Fraternidade 2013 "Eis-me aqui. Envia-me"

"Eis-me aqui. Envia-me" (Is 6,8). Este é o lema da Campanha da Fraternidade de 2013, escolhido nesta quarta-feira (21) pelo bispos integrantes do Conselho Episcopal de Pastoral (Consep) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O tema da Campanha da fraternidade de 2013 será "Fraternidade e Juventude".
Também en 2013 acontecerá a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), no Rio de Janeiro, quando jovens do mundo inteiro se encontrarão com o Papa Bento XVI. O tema da JMJ será "Ide e fazei discípulos entre todas as nações"(Mt 28,19).

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Fiscais do Ibama, policiais e índios foram alvos de madeireiros em Terra Indígena no Alto Rio Guamá, nas imediações do município de Paragominas-Pa


O Globo

Fiscais do Ibama, policiais militares e índios foram alvos de tiros disparados neste domingo por madeireiros na Terra Indígena Alto Rio Guamá, nas imediações do município de Paragominas, no Pará, enquanto faziam a medição de madeira apreendida Madeireiros atiram contra fiscais, policiais e índios no Pará
na área.

O ataque foi divulgado pelo Ministério Público Federal paraense, que pediu reforço policial urgente e alertou a Polícia Federal, a Funai (Fundação Nacional do Índio) e a Secretaria de Segurança Pública do Pará.

De acordo com o MPF, não há notícia de feridos, mas um índio e dois policiais estariam perdidos na mata, sem contato. Segundo nota divulgada pelo Ministério Público, a equipe que avaliava o volume de madeira apreendida teria sido surpreendida por madeireiros, que atiraram contra o grupo. 

Leia mais: http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2012/12/02/madeireiros-atiram-contra-fiscais-policiais-indios-no-para-477436.asp
_____________________________________________________________________

7 Dias restantes para V Plenária Nacional de Economia Solidária



A realização da V Plenária da Economia Solidária, além de representar o resultado de uma trajetória de construção de Fórum Brasileiro de Economia Solidária (FBES), comemora o aniversário de 10 anos da I Plenária, realizada de 9 a 10 de dezembro de 2002,
 O Fórum tem este nome porque é filho legítimo do Fórum Social Mundial (FSM). No Primeiro FSM, realizado em Porto Alegre, 25-30 de janeiro de 2001, houve realização da oficina Economia Popular Solidária e Autogestão que - pela presença (de mais de 1 500 pessoas) e pela qualidade das manifestações – apontou a necessidade de se articular internacionalmente e de organizar a economia solidaria no Brasil. Para fazer articulação e promover participação nacional, foi criado o Grupo de Trabalho Brasileiro de Economia Solidária (GT-Brasileiro).
 Assim, graças à prática de respeitar as diferenças regionais e particularidades de suas organizações, conforme a insígnia “unidade na diversidade”, investiu-se na divulgação, na caracterização das atividades da economia solidária e, principalmente, na busca de sua dimensão nacional. É nes te sentido que o primeiro livro, publicado, já em 2002, denominava-se: Do Fórum Social Mundial ao Fórum Brasileiro de Economia Solidária. Nisso, a realização das Plenárias foram decisivas para ampliar e, ao mesmo tempo, caracterizar o seu campo de ação.

Apoe este projeto fazendu sua doação pelo Saite: http://catarse.me/pt/v_plenaria_ecosol
Leia Mais. http://www.fbes.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=7276&Itemid=62  
 ____________________________________________________________________

O Natal ou Comercial?


Por, José Wilson Alves¹

Mais um ano vemos em nossos dias chegar o Natal, o dia que para cristãos é comemorado o nascimento de Jesus Cristo o filho de Deus que veio habitar entre nós, que nasceu de uma humilde mulher chamada Maria e que foi protegido e educado por um homem da descendência de Davi conhecido como José (Mt. 1. 20) e que veio ao mundo numa manjedoura (Lc. 2. 16)  entre animais num estábulo.

O Natal, antes que se possa imaginar não é apenas um dia, o Natal é um período, um tempo, que se celebra o mistério do nascimento, da encarnação do verbo divino que habitou entre nós, nos ensinou o caminho, e nos salvou da morte do pecado (Lc. 3. 6).
O tempo que celebramos o nascimento do menino Jesus, o Messias, deve ser encarado como muito mais que um tempo de receber e devolver presentes, de irmos as compras e ou fazer viagens e turismo dos sonhos, gastar dinheiro, agradar amigos e consumir desenfreadamente.
O Natal, antes era comemorado pelos antigos pagãos o nascimento do sol, o sol que é astronomicamente falando o grande astro rei, para a nossa geração, Cristo é, e será sempre o nosso principal e maior astro rei, ele é o norte de nossa geração, quer seja conscientemente cristão ou não, o mundo moderno rendeu-se ao cristianismo, a sua história, seus pensamentos e sua filosofia.
Também é certo afirmar que o consumismo fruto de outros valores que não são cristãos, que muito influencia nossa forma de vivenciar a tradição do tempo natalino, faz verdadeiros estragos na compreensão deste tempo, tempo este, que comemorando a graça de fazer memória ao nascimento de Jesus, acabamos por nos diluirmos num consumismo demasiado, deixando de lado o mistério celebrado e prática da solidariedade e apego familiar e respeito as pessoas que antes de tudo é o mais importante do ensinamento de Jesus.
O comércio, o consumo intenso, e a demonstração de poder aquisitivo é muito mais forte que a demonstração de fé com a tradição cristã e ou demonstração de carinho para com as pessoas queridas que se deseja presentear. O presente não pode ser algo maior que a festa da graça recebida, a confraternização da vida, da irmandade, da paz e do amor entre as pessoas e a aceitação de um Deus verdadeiro que se faz vivo e atuante em meio a nós.
A bíblia e a história de Jesus Cristo nos levam a pensar: Como nasceu? Como viveu? Quem foram os seus amigos? Qual era a sua opção? Que legado deixou para a humanidade? Tudo isso cada vez mais é conhecido e difundido, porém, é notório, que cada vez mais, a humanidade inverte a lógica do ensinamento, e devolve tudo para a mesma humanidade, tudo aquilo que o mestre pede que não façamos uns para com os outros.
Dar, comprar e ou receber presentes não é o forte do tempo do Natal, ser feliz é o forte, e ser feliz não é receber presentes, é ser presente para você mesmo, é ser presente para o outro, e principalmente para aqueles que precisam, e certamente aquele que precisa não necessariamente deve ser um homem sem dinheiro ou uma mulher ou criança abandonada.
O outro, o seu próximo, pode ser você mesmo, pode ser aquele, que mesmo que seja seu grande e importante amigo, ainda precisa que lhe diga que Deus não nasce no seu presente, e nem esta embalado nas caixas enfeitadas, e que a alegria do Natal, não vem com laços e cores e jingles natalinos, tem sim, cor, raça, classe social, sentimento, valores, princípios e coragem para levá-lo aonde naturalmente você não iria ou nunca imaginou ir, siga o seu coração e busque a paz, que não vem das compras e festas.
Mas se as compras forem importantes? E se a festa for necessária? Faça então, com convidados especiais, com aqueles lembra? Que tem cor, raça, classe social, sentimento, valores, princípios e coragem, para levá-lo aonde naturalmente nunca foi, e por isso, talvez somente um amigo, que se torne mais que um amigo, que você nunca conheceu pessoas que sempre precisou de você e você nunca se ofereceu, uma classe social que mesmo estando baixo da sua, não é pior que você, e que a nobreza de seus atos, longe dos presentes e da festa, aumentarão os sentimentos e valores que darão razão a seus princípios.
Natal não é comercial, siga a estrela, siga seu coração, siga Jesus Cristo, seja feliz!
________________________________
¹ O autor é Educador Popular; Assessor da Cáritas Paragominas; Assessor do Instituto Popular Amazônico – IPA; Formado em Gestão Empresarial/UNAMA; Assessor/Educador de Jovens e Adolescente/CAJU/PJ/CNBB-Norte-II; Licenciando em Biologia/IFPA; Consultor em Desenvolvimento Rural Sustentável; Consultor em Gestão de Trânsito.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

IPA 5 anos de história


Por, José Wilson Alves[1]


Este momento de reflexão para nós do Instituto Popular Amazônico e seus parceiros é de fundamental importância para a nossa pratica e para o nosso pensamento estratégico. Para uma organização social como o IPA que atua em Paragominas desde 2007, ou seja, exatos 5 anos temos muito a nos orgulhar de compor esse empreendimento social.
Foto: Célio Lima
Vale muito ressaltar o clima político em que o Instituto Popular Amazônico surge, em 2005 com inicio de um forte trabalho de enfrentamento ao trabalho escravo no pólo Paragominas (Dom Elizeu, Ualinopolis, Ipixuna e Paragominas), dialogando com diversos setores da sociedade, e, andando muito por todo esse território Nordeste Paraense, pode ser percebido a grande ausência de políticas publicas para a juventude (ainda há) e para os camponeses, assim também para as mulheres do campo e da cidade pelos municípios que compõe a microrregião.
Frente a isso, estimulados pelo exemplo da Cáritas Brasileira e pela dor e sofrimento do povo, diversos jovens ligados a igreja Católica e a Pastoral da Juventude e movimentos sociais no Estado do Pará iniciaram ao longo do tempo um processo de formação política, que inspirou organização de um instrumento formal e administrativo para apoiar as tão sonhadas mudanças sociais em apoio aos grupos e movimentos sociais que, diga-se de passagem, ainda hoje são escassos em Paragominas e região.
Mantemos-nos atualmente somente com o voluntariado e valentia de seus sócios, os quais se revezam em administrar a instituição, executar os projetos e captar recursos e novos parceiros, bem com, dialogar com os órgãos do podre publico em Paragominas e no Estado do Pará.
Estamos num momento de muitas transformações e renovação, graça aos nossos companheiros que sonharam e continuam sonhando juntos por uma Amazônia livre, e uma pátria livre e que todos possam ter liberdade e condições de viver sem o julgo do domínio de elites e conglomerados econômicos.
O IPA, esta disponível sempre de portas abertas a todos os agricultores, donas de casa, catadores de material reciclável, jovens e adolescentes, que nos procuram, que buscam beber de uma fonte, que estão sendo vitimados pela violência ou pela negação de seus direitos e de sua dignidade, estamos abertos para dialogar com o respeito inter-religioso e ecumênico aos povos, comunidades e tradições considerando o que há de mais valioso para todos, a vida, a liberdade, a justiça  e a paz no mundo.
O Instituto Popular Amazônico segue sua historia firme e com muita disposição para lutar e defender em nome de uma solidariedade libertadora, todos aqueles que em qualquer parte da terra estiverem sofrendo injustiça e perseguições políticas, descriminação, preconceitos e marginalizações.




[1] Educador Popular; Gestor Empresarial/UNAMA; Licenciando em Biologia/IFPA; Sócio fundador do IPA

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Apesar da redução de índices, Pará é o estado que mais desmata, diz Inpe


Dados são de levantamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Em um ano, Pará desmatou 1.699 quilômetros quadrados.



Os índices de desmatamento na Amazônia Legal divulgados nesta terça-feira (27) pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, mostram que o Pará foi o estado brasileiro que mais desmatou a região. Foram 1.699 quilômetros quadrados desmatados durante o período compreendido entre agosto de 2011 e julho deste ano. Os números foram obtidos através do sistema Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

De acordo com o Ministério Público Federal do Pará (MPF), ainda que figure em primeiro lugar na lista de desmatamento, o estado está conseguindo manter uma redução consecutiva destes índices. Este ano, o Pará desmatou 1,3 mil quilômetros quadrados a menos que em 2011. O número corresponde a 36% do total de áreas desmatadas em 2012, segundo o MPF. Há 3 anos, em 2009, o estado chegou a responder por 57% desse total.
O programa trabalha com incremento da agricultura familiar, uso de áreas previamente degradas para a produção de alimentos, reflorestamento e combate ao desmatamento.

Atualmente, de acordo com o MPF, o Pará tem 92 municípios vinculados ao programa, com 61 mil propriedades inscritas no cadastro ambiental rural.

Municípios do sudoeste paraense estão entre os que mais desmatam
Segundo dados do Sistema de Alertas de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente na Amazônia (Imazon), os municípios de Altamira e Novo Progresso, ambos no sudoeste do Pará, estão entre os que mais desmataram.

Apenas em Altamira, durante o último mês de outubro, o índice de desmatamento foi de 32,3 quilômetros quadrados. Em Novo Progresso, neste mesmo período, o número cai para 16,5 quilômetros quadrados de desflorestamento. O município aparece na oitava posição no ranking dos municípios que mais desmataram em outubro.

Para ler mais notícias do Pará, acesse g1.globo.com/para.


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Proprietários rurais são condenados por trabalho escravo no Pará

Justiça Federal do Pará condenou os fazendeiros a 5 anos de reclusão.
Flagrantes foram feitos em Paragominas nos anos de 1998 e 2006.


A Justiça Federal no Pará condenou dois proprietários rurais a cinco anos de reclusão por submeterem trabalhadores a condições semelhantes às do trabalho escravo. O regime de cumprimento das penas será o semiaberto.

O processo mais recente foi aberto em 2007 a partir de denúncia do Ministério Público Federal (MPF) com base em informações levantadas pelo grupo especial de fiscalização móvel do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em conjunto com a Polícia Federal (PF). Em agosto de 2006, uma operação na fazenda Roseta, em Paragominas, no sudeste paraense, resgatou 11 trabalhadores na propriedade de Luiz Otávio Rodrigues da Cunha.

Segundo depoimentos prestados por testemunhas à Justiça Federal, os trabalhadores não tinham carteira assinada, recebiam menos de um salário mínimo, não recebiam equipamentos de proteção individual, moravam em barracos de madeira, bebiam água de rio, tinham descontados de sua remuneração dos valores dos alimentos que eram comprados pelo capataz, bem como de eventuais equipamentos que utilizavam na prestação dos serviços.

A outra condenação foi decretada em processo iniciado em 2002, também a partir de ação do MPF. Em 1998, o MTE e a PF encontraram 30 trabalhadores em condições degradantes na fazenda Jaciara, de José Luiz Pedrini Moro, no mesmo município. A situação encontrada também foi de trabalhadores submetidos a condições degradantes de trabalho, habitação, alimentação, higiene e saúde.

As sentenças, contra as quais ainda cabem recursos, foram decretadas pelo juiz federal Rubens Rollo D'Oliveira. No processo contra José Luiz Pedrini Moro atuaram os procuradores da República Igor Nery Figueiredo, Ubiratan Cazetta, José Augusto Torres Potiguar, Ana Paula Carneiro Silva e Felício Pontes Jr. No processo em que Luiz Otávio Rodrigues da Cunha foi condenado atuaram os procuradores da República Nayana Fadul da Silva, Maria Clara Barros Noleto, Tatiana Pollo Flores, Tiago de Sousa Carneiro e Fernando José Aguiar de Oliveira.
Para ler mais, acesse g1.globo.com

 

sábado, 24 de novembro de 2012

IPA realiza VI Assembleia Geral


A VI Assembléia do Instituto Popular Amazônico ocorreu em grande estilo com a presença dos sócios e convidados. Na sede da Cáritas Paragominas, houve mística, cantos e declamação de poemas para abrir a assembléia na noite da sexta-feira (23). Um balanço das atividades foi apresentado pelo Eduano Silva às ações de 2011 e 2012, sem seguida foi provocado uma analise de conjuntura pelo sócio José Wilson que fez a todos refletirem sobre Paragominas e um olhar atual da conjuntura.

No dia seguinte continuou o processo da assembléia, onde ficaram definido as ações estratégicas e voltados para as linhas estratégicas: desenvolvimento sustentável; defesa dos direitos humanos; lutas populares e; sustentabilidade institucional, que motivados por uma avaliação que considerava os pontos fortes, fracos e oportunidades. Assim seguiu a assembléia do IIPA.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

O Instituto Popular Amazônico - IPA lança Edital de Convocação de Assembléia


A presidenta do IPA convoca sócios e parceiros, para a Assembléia Ordinária de Avaliação e Planejamento. Será na Sede do IPA com abertura às 19:00 horas do dia 23 de novembro e 24 de novembro, a partir das 8:00 horas.
O seguinte Edital encontra-se fixado na sede do IPA e SINSEP no município de Paragominas.
Mais Informações: (91) 3729-6522 - ipa.pgm@hotmail.com





O CÍRIO E AS CRIANÇAS.



O CÍRIO E AS CRIANÇAS.

Deixai vir a mim as criancinhas (Lucas 18.16). Foi muito forte a presença das crianças no 20º Círio de Nossa Senhora de Nazaré – Paragominas, uma manifestação da presença de Deus em meio aquela multidão de fies, pois uma quantidade incalculável de anjos, ou melhor, anjinhos estavam presentes, seja andando de mãos dadas aos seus pais ou com os amiguinhos, nos ombros de algum adulto ou ate encima de alguma carroça ou bicicleta, enfim de todas as formas, foram centenas de olhos brilhantes e um semblante irradiante que abrilhantavam com sua graça este Círio.
A atitude dos pais em levar seus filhos menores para o Círio demonstra profundamente mais que um apego a mãe de Jesus, uma forma de educação, de transmissão de valores, que são repetidos aos de pais para os filhos de forma muito transcendental, intensa, porem, despretensiosa ou premeditada.
A presença das crianças, na vida da igreja sempre foi muito bem vinda e a renovação da igreja só é possível quando cuidamos daquele que é o futuro e continuidade da igreja: as crianças. Muito bonito a presença das crianças, muito bonita a atitude dos adultos, muito bonita a igreja que reúne a família inteira, novos e antigos amigos, valores antes quem sabe esquecidos, tais como, amor, solidariedade, piedade, fé, gratidão, reconciliação, fraternidade...
Quem ver as crianças vê também à renovação e a continuidade da fé recebida pela igreja e os valores decorrentes desse ensinamento; ver as crianças renovamos a alegria de ser pai e mãe; ver as crianças pensamos que Deus continua agindo nas nossas vidas; ver as crianças continuaremos crendo na benção diária de Deus sobre nossas vidas.
Salve as crianças onde Deus faz morada! Salve as famílias! Salve o Círio de Nazaré!!







Jose Wilson Alves
Paragominas-PA

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Representante da Cáritas Paragominas pasticipa de Encontro nacional de mobilização de recursos reúne agentes Cáritas de todo Brasil

Reunidos na sede do secretariado nacional da Cáritas Brasileira, em Brasília (DF), agentes da entidade de todo Brasil, debateram, nos dias 23, 24 e 25 de outubro, temas relacionados à mobilização e captação de recursos para toda Rede Cáritas no quadriênio (2012-2015). Após uma apresentação da realidade atual de cada regional e do secretariado nacional nesse cenário, foi realizado um debate sobre os diagnósticos apresentados, além da revisão do manual de mobilização de recursos da Rede Cáritas. Temas como a Rede Permanente de Solidariedade (RPS) e a captação de empresas privadas foram temas altamente debatidos com o objetivo de unificar estratégias para a ampliação e efetivação da mobilização de recursos nessas áreas.

 Saiba mais:
http://caritasparagominas.blogspot.com.br/

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Lançamento do 0800 do Disque Denúncia é realizado na CNBB Norte 2

Posted by Caritas Norte 2 ⋅ 02/08/2012 ⋅


No dia 02 de agosto, às 11hs, haverá uma coletiva de Imprensa para o lançamento do 0800 do Disque Denúncia, realizado pela Comissão de Justiça e Paz – CJP junto com o Ministério Público Federal – MPF e o Tribunal Regional Eleitoral – TRE, no auditório Amazônia, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB do Regional Norte 2 (Pará e Amapá).

Através do 0800 as pessoas poderão fazer as denúncias de irregularidades, na campanha do Comitê Estadual do Movimento Nacional de Combate à Corrupção Eleitoral, coordenado pela CJP. A mesa será composta pela Secretária Executiva da CNBB Norte 2, Orlanda Alves; a Coordenadora da Comissão e Justiça e Paz e do Comitê Estadual de Combate a Corrupção Eleitoral, Ir. Henriqueta Cavalcante; o presidente do TRE, o desembargador Ricardo Nunes, e o Procurador Geral Eleitoral do MPF, Igor Nery Figueiredo.

Após ser lançado, o plantão 0800 funcionará 24 horas/dia, sete dias por semana. A CJP já tem uma cartilha educativa elaborada, que será impressa pelo TRE-PA, fruto da parceria institucional. As denúncias eletrônicas serão totalmente sigilosas, o que preservará a identidade de quem as denunciar, além de serem recebidas diretamente pelos promotores de justiça da área eleitoral. O sistema terá acompanhamento simultâneo do procurador regional que verificará todos os relatórios, para análise e investigação.

Leia mais: http://fundossolidarios.wordpress.com/2012/08/02/lancamento-do-0800-do-disque-denuncia-e-realizado-na-cnbb-norte-2/


quarta-feira, 18 de julho de 2012

A Rede Capim de EPS e IPA participa de plenária sobre PROINF 2012




A Rede Capim de Economia Popular Solidária e Instituto Popular Amazônico Participaram no ultimo dia (17) de julho de uma plenária do Colegiado do Nordeste Paraense - CODETER, que tinha como objetivo discutir propostas de projetos estratégicos financiado pelo PROINF 2012 para o desenvolvimento territorial do Nordeste Paraense.

O evento aconteceu no auditório da EMATER Regional de São Miguel do Guamá/Pa, foi coordenada por Antonio Pedro, Coordenador do CODETER, se fizeram presentes representantes dos 20 municípios da região nordeste, o senhor Antonio, fez uma saudação de abertura aos convidados e membros do CODETER, logo após se compôs uma mesa com o Donato/MDA, Hadilson/SAGRI, Basileia/EMATER.
Em seguida Hadilson Miranda, representante da SAGRI fez uma apresentação do andamento dos projetos territoriais ressaltando os pontos positivos e negativos. O coordenador do CODETER, senhor Antonio fez uma avaliação as reuniões do território,e em seguida o senhor Hadilson/SAGRI, expôs que alguns projetos de 2004 a 2007 não poderia mais ser mais renovados, ficando assim muitos projetos parados.
Outros pontos bastantes debatidos pelos membros do colegiado foram os problemas burocráticos que se tem com as entidades apoiadoras para aprovar a um projeto; a dificuldade de se conseguir uma licença ambiental com as Secretarias de Meio Ambiente - SEMAs. Em seguida o Donato do Ministério do Desenvolvimento Agária - MDA, fez alguns informes sobre o valor destinado para o TENEPA que seria de 550.000,00.O qual sera para financiar projetos e propostas para o território nordeste paraense.






.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

8a Feira de Economia Solidária do Mercosul, em Santa Maria - RS


Por Secretaria Executiva do FBES
Ocorreu ontem, 14 de julho de 2012, o 8o Seminário Latino Americano de Economia Solidária durante a 8a Feira de Economia Solidária do Mercosul, em Santa Maria - RS. O seminário contou com a participação de militantes da economia solidária de Brasil, Argentina e Uruguai e foi organizado pelo FBES (Fórum Brasileiro de Economia Solidária), EMS (Espaço por um Mercosul Solidário) e Ripess-Lac (Rede Intercontinental de Promoção da Economia Social e Solidária da América-Latina e Caribe).
O objetivo do seminário foi analisar a situação da região quanto a relação entre o estado e a sociedade civil, do ponto de vista do movimento da economia solidária, principalmente num contexto regional de quebra de democracias e golpes de estado.

Leia Mais: www.fbes.org.br

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Rede Capim de EPS participa de Curso de formação do CFES

O CFES (Centro de Formação em Economia Solidária) Incubadora da UFPA (Universidade Federal do Pará) Promoveu de 03 a 05 de julho 2012,  mais um seminário para discussão do PPP ( Plano Político Pedagógico) onde  se procurou  mecanismos para certificação, capacitação e formação em economia solidária no Região Norte do Brasil.
A Rede Capim de Economia Popular e Solidária, membro do Conselho de Redes do Estados do Pará, e do Fórum paraense de economia solidária esteve presente representada por Romeu Ferreira Guimarães presidente da A.P.H.D.E. Ass. Prod. Hortifrutgranjeiros do Município de Dom Eliseu-PA, um dos empreendimentos Rurais
No evento estiveram representados através dos respectivos Foruns, os sete estados da Região Norte, Tocantins, Pará, Amapá, Amazonas, Roraima, Acre e Rondônia.
Durante os três dias de trabalho, levando em conta os princípios da economia solidária, as dimensões, Filosófica, Social, Política, Desenvolvimento Sustentável e Pedagógica  se traçaram várias diretrizes que serão implantadas com suporte referencial de obras de variados autores e acima de tudo com o fortalecimento e emancipação dos empreendimentos que militam no movimento. A parceria de entidades de apoio é de fundamental importância e acima de tudo o olhar responsável dos gestores públicos, por forma a implantar as políticas públicas necessárias para o rápido andamento do processo em sintonia com a SENAES ( Secretaria Nacional de Economia Solidária).

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Instituto Popular Amazônico lança Calendário da Rede Capim de EPS

 

 

O Instituto Popular Amazônico e a Cáritas Paragominas lançou no ultimo dia 25 o Calendário da Rede Capim de Economia Popular e Solidária.




Este Material foi produzido pelo “Instituto Popular Amazônico”, com o apoio do Fundo Nacional de Solidariedade, da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e da Cáritas Brasileira. E contou com a parceria da Cáritas Diocese Bragança, Fórum Paraense de Economia Solidária. O calendário é resultado dos trabalhos que vem sendo desenvolvido pela coordenação da colegiada da Rede Capim de Economia Popular e Solidária, na região território nordeste paraense, e mostram um pouco das experiências vivenciadas nas visitas, oficinas, seminários e feiras de economia solidária realizada na região com os empreendimentos solidários.
O objetivo deste material é divulgar as inúmeras iniciativas do(a)s  trabalhadores (a)s, dos empreendimentos solidários da zona rural e urbana, entre grupos formais e informais, existentes nos municípios que compõem a REDE CAPIM de EPS, no sentido de contribuir para o fortalecimento da economia solidária na região.



IPA Realiza Análise de Conjuntura em Paragominas



O Instituto Popular Amazônico realizou no ultimo domingo (24) uma Analise de Conjuntura social e política de Paragominas. No momento estiveram presente a direção, sócios e fundadores do IPA. A analise de Conjuntura foi coordenada por Cleciana Silva e Ivaldo Sousa, os debatedores foram José Wilson Alves e Avelino Silva. 30 pessoas participaram do evento que no conjunto da reflexão reafirmou a esperança por mudança do povo de Paragominas, drástica divisão de classe notoriamente observada na cidade entre os lados que moram os ricos e o lado que mora o povo.

Ainda seguindo a reflexão da análise, o cenário político apresenta apenas o nome do antigo nome do PMDB que agora assumi sua posição no PSDB e disputa mantendo a hegemonia atual de 16 anos de tucanos no poder em Paragominas, contra os sonhos e esperanças representada pelo Professor Raydson Cunha (PT) – que é vice-presidente do Sindicato dos Servidores Publico e reúne um conjunto de lideranças e dirigentes sociais em seu nome.
O pressuposto da burrice ou do encobrimento de prováveis erros remonta a totalidade com que a Câmara de Vereadores do município se tornou para com a prefeitura local, ou seja, o poder legislativo se tornou um escritório da prefeitura, sendo assim, espaço sem expressão, sem credibilidade e inócua.

O aumento das atuais 10 vagas no legislativo municipal para 13 cria uma grande expectativa, e com uma possibilidade dos atuais 10 só retornarem apenas 5 alegra muito o povo que quer mudança e transparência.

O município que antes ate a ultima campanha da Fraternidade que tinha como tema “A terra geme em dores de parto” – 2011 assim como as demais que tratava da floresta e da defesa do meio ambiente nunca foram aceitas pelo poder econômico e pelos detentores de poder publico, agora, discussão num tom de ambientalista: Município Verde.
O Instituto tenta fazer o exercício de reunir seus sócios e convidados para a reflexão do seu papel e dos desafios na sociedade de Paragominas quanto a formar opinião e defender a democracia participativa.
 

Arquivo: